top of page
Sobre

Eletroconvulsoterapia

A Eletroconvulsoterapia no Séc. XXI

A Eletroconvulsoterapia (ECT) provavelmente é a modalidade terapêutica com o maior estigma na psiquiatria, e da mesma maneira é a mais injustiçada. Essa visão negativa por parte da sociedade, é derivada de histórias sobre tratamentos agressivos e desumanos realizados décadas atrás em instituições chamadas de manicômio.  Eu posso lhes garantir que nada disso é praticado na atualidade. Vou tentar quebrar um pouco desse preconceito.

Começando pelas indicações, o tratamento é indicado em situações muito específicas e graves, como: Depressão melancólica (com sintomas psicóticos), Transtorno bipolar em mania, surto psicótico, catatonia, TOC grave, etc. 

É importante ressaltar que as medicações utilizadas no tratamento dessas condições graves, possuem diversos efeitos colaterais, além disso ''Tempo é Neurônio'', ou seja, quanto mais o paciente permanece em crise, aguardando respostas às medicações, mais consequências permanentes ele pode desenvolver.  Assim, o tratamento mais incisivo, através da ECT deve ser visto como uma excelente alternativa. 

Uma vez indicado o tratamento, ele sempre será discutido com a família, e um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) deverá ser assinado por um dos responsáveis. Os ciclos de tratamento envolvem entre 8 a 12 sessões (com algumas exceções), que geralmente são realizadas duas por semana (de modo que dura aprox. 1 mês). Antes de iniciarmos, uma avaliação clínica deverá ser realizada por um clínico ou cardiologista (semelhante ao ''risco cirúrgico'').

As sessões devem ser realizadas em um ambiente com equipe e estrutura adequados, e isso inclui um anestesista experiente. O paciente precisa ser monitorizado (eletrocardiograma, oximetria e eletroencefalograma) e ter um acesso venoso. 

Com o paciente no leito e toda a equipe pronta, realiza-se o ajuste nos parâmetros do aparelho a depender de algumas variáveis, como idade, a resistência identificada pelo aparelho e a resposta terapêutica em sessões anteriores (ajusta-se a voltagem, corrente, amperagem e tempo). 

O anestesista administra as medicações (sedativo, geralmente o Propofol, e um bloqueador neuromuscular, para que o paciente não apresente contrações musculares vigorosas durante a crise, diminuindo a dor na recuperação), e quando o paciente estiver inconsciente, um estimulo elétrico é realizado durante um curtíssimo espaço de tempo, como 0,5 seg. É importante ressaltar que não é o eletrochoque em si que possui algum efeito terapêutico, mas sim a crise convulsiva que se inicia a seguir, inclusive nos primórdios da psiquiatria, crises convulsivas eram estimuladas através de uso de cânfora ou coma insulínico.

Como dito acima, é importante que o estímulo elétrico desencadeie uma crise convulsiva eficaz, que é avaliada pela variação da frequência cardíaca basal do paciente. Normalmente as crises são autolimitadas e duram menos que 1 minuto. Na grande maioria das vezes o paciente não necessita de suporte ventilatório após a crise, o sedativo utilizado tem um curto período de ação e então logo o paciente começa a retomar sua consciência. É comum o paciente apresentar alguma confusão mental nas primeiras horas, assim como náuseas, cefaleia e tontura. Alterações de pressão arterial ou frequência cardíaca também podem acontecer. 

Durante o tratamento o paciente pode apresentar perdas de memória, normalmente as amnésias são transitórias, mas em alguns casos podemos  observar amnésias permanentes. Raramente pode ocorrer alterações de personalidade e até alterações nos sintomas.
Algumas medicações deverão ser suspensas durante o tratamento, principalmente as que apresentam ação anticonvulsivante. 
As principais contraindicações ao tratamento são: doenças cardíacas ou pulmonares graves, tumores e aneurismas intracranianos e AVE recente. Não é contraindicado em gestantes, epilépticos e em pacientes com craniotomia. 


ESPERO QUE TENHA RESPONDIDO A MAIORIA DAS SUAS DÚVIDAS, CASO LHE RESTE ALGUMA, ENTRE EM CONTATO QUE TEREI O PRAZER EM RESPONDER. 



Observação: Nós não realizamos esse tipo de procedimento. Entretanto, a página foi mantiva com o objetivo de esclarecer a população e combater a desinformação sobre esse modelo de tratamento. Eu, Dr. João Lucas Carneiro de Oliveira, considero a Eletroconvulsoterapia como um tratamento extremamente eficaz, e sempre que necessário eu converso com meus pacientes sobre essa possibilidade. 

ect-eletroconvulsoterapia-terapia-eletroconvulsiva-porto-alegre.jpg
Família tirando uma foto

O que os pacientes dizem

Confira as avaliações de quem está disfrutando de uma saúde mental melhor.

Instagram & Facebook designs _ https___c

Estou enviando esta mensagem para agradecer. Se soubesse que iria melhorar tanto desta ansiedade teria vindo muito antes. Muito obrigado Doutor

Tânia R. M.

Image by NordWood Themes

Obrigado por toda sua atenção Dr. João. Você me deixa muito seguro. Obrigado mesmo!
 
Antônio R. S.

Image by NordWood Themes

Dr  desenvolve um trabalho de excelência. Sempre me senti e me sinto muito acolhida em seu consultório. Já indiquei e indico sem medo de errar.

Fabiana C.

bottom of page